#QuebraTudoJeová :p

Primeira mente “Boas tardes” (na verdade já são 00:22 horas do dia 27, mas não resisti a este meme idiota afinal de contas eu só posto coisas idiotas para ninguém ler, então dane-se). :p

E aí meus estimados mendigos e mendigas. Como “vóis missê” estão? Espero que estejam todos bem (sim, estou sendo sincero ao meu preocupar com vocês :p ninguém lê esta merda. Estou preocupado com quem?!).

Hoje, Domingão de muito sol e calor em “Curitóba” #SóQueNão, após um período que nem imagino de quanto tempo, resolvi ir pra igreja. Não, você não está lendo errado (ninguém lê seu blog, seu animal!) e eu não estou bêbado nem de piadinha para vir lhes contar esta “façanha”.

Meus “histórico” com igrejas e doutrinas religiosas (nem com macumba coitado do bode ) não são lá muito agradáveis ou “deleitosas” para mim (conto o “por quê” disso em outras postagens que farei em breve) e voltar a frequentar um culto ou algum tipo de celebração religiosa já não fazia parte dos meus planos a muito tempo. Mas ontem (26/04/15) eu fiz uma promessa para agradar minha madrasta, que amo muito (amo de verdade muito mais que minha mãe), simplesmente para agrada-la. Prometi que hoje (27/04/15 isso é óbvio, seu animal estúpido) eu iria aproveitar minha folga e iria juntamente com ela e meu pai para o “Culto da família”.

Eu me arrumei e fiquei lindo e cheiroso, como sempre faço (obrigado Deus por me fazer lindo e cheiroso. Amém!) e liguei algumas canções gospel aqui em casa para ir entrando no clima que delícia, cara. Escutei um pouco de Ana Nobrega canta muito! e mais Gabriela Rocha sua linda. Fui pra igreja e como não conheço ninguém, ou melhor, até conheço visualmente mas não algum tipo de relação mais estreita ou significativa, cumprimentei as pessoas pra mostrar minha educação fingido! e sentei juntamente com minha madrasta, sem meu pai, porque meu pai é Diácono e estava na escala de trabalho (OBS: Diácono é o termo utilizado para identificar pessoas que prestam trabalho voluntário para dinâmica funcional dos cultos culto nao é missa, porra! nas igrejas Quadrangular).

O culto começo com músicas agradáveis tocadas por alguns rapazes jovens, alguns bem mais novos que eu (não sou tão velho, sou apenas um ranzinza precoce :p ). Após terminar a parte das canções alguém que exerce algum tipo de cargo na igreja, com o microfone em mãos, orientou os que ali se estavam sobre dízimos e ofertas. Distribuiu um panfleto para cada indivíduo e leu alguns trechos que estavam em destaque.

Depois destas duas partes se encerrarem chegou o momento do pastor apresentar sua palestra (palestra em termo “crentês” é “pregação” e não, não é alguém com um martelo batendo em algo em cima do altar) baseada no trecho bíblico retirado do livro de Josué, cap. 24 verso 15. Eu não faço nem ideia do que foi lido porque o pastor correu alguns versos para chegar no que seria o texto chave. Texto que tinha como ênfase o trecho “… eu e minha casa serviremos ao Senhor”. Caras, foi muito bom ouvir o que ele falou. O “sermão” foi direcionado como palavra de sabedoria as pessoas que convivem em grupos. Falou de respeito e amor. O pastor até cantou um trecho de algumas músicas seculares seja lá o que “secular” signifique como a famosíssima (particularmente só conheço essa) “Quando eu estou aqui…” do Roberto Carlos.

Depois de alguns minutos pregando (cerca de 40) o pastor apresentou a irmã dele para os presentes (ela trabalha como “missionária” ou algo do tipo) e finalizou o culto com uma oração breve.

Eu gostei muito da experiência. Foi diferente. Foi marcante. Foi muito gosto que delícia, cara. Eu pretendo voltar mais vezes porque eu me deleitei em algum tipo de sensação que não se explica com palavras. Vou voltar quando puder porque pretendo sentir mais daquela paz que senti hoje durante as duas horas que fiquei dentro daquela igreja; e te digo, valeu a pena e eu faria tudo de novo.

Boa noite, e tenham uma semana abençoada aos cuidados do Espírito Santo de Deus.

Anúncios